Mel: como saber se é puro, consumo ideal e como conservar

Na imagem: Foto de uma tigela de mel. Matéria sobre como escolher, armazenar e consumir mel
Imagem via Freepik.

Tem dúvidas sobre o mel que você está comprando? Então você está no lugar certo. Hoje você entenderá como saber se ele é puro, quanto você pode comer diariamente e como conservar da melhor forma.

Se você consome mel com frequência, sabe que nem sempre é fácil escolher onde comprar ou mesmo se ele é puro. Nesse momento surgem diversas dúvidas, mas não se preocupe: estou aqui para te ajudar.

Neste artigo, vou responder a essas e outras perguntas sobre esse ingrediente tão versátil e saboroso. Então, prepare-se para se tornar um expert em tudo relacionado ao mel!

Como identificar se o mel é puro ou adulterado?

Um dos maiores desafios ao comprar mel é identificar se ele é puro ou adulterado. Infelizmente, muitos produtores adicionam xarope de milho ou açúcar para aumentar a quantidade e reduzir os custos.

Isso pode prejudicar a qualidade do mel e até mesmo afetar a saúde do consumidor. Por isso, é importante saber como identificar se o mel é puro ou não. Veja abaixo algumas possibilidades:

  • Textura e consistência – uma das maneiras mais simples de verificar a pureza do mel é observando sua textura e consistência, pois o mel puro geralmente tem uma textura espessa e viscosa, enquanto o mel adulterado tende a ser mais líquido e escorregadio.
  • Sabor – o mel puro é mais intenso e complexo, com notas florais e frutadas, enquanto o mel adulterado pode ter um gosto artificial ou sem sabor.
  • Teste do iodo – outra forma de identificar se o mel é puro ou não é realizando o teste do iodo. Para isso basta adicionar algumas gotas de iodo ao mel diluído em água. Se a solução mudar de cor para azul-esverdeado, significa que há amido no mel, indicando que ele foi adulterado com xarope de milho ou açúcar.
  • Teste com vinagre – outro teste envolve colocar uma colher de chá de vinagre branco no mel diluído em água. Se houver efervescência, significa que há bicarbonato no mel, outro sinal de adulteração.
  • Teste com álcool – coloque um punhado de mel num copo com álcool e mexa delicadamente. O mel verdadeiro não se dissolve no álcool.
  • Ler o rótulo – pode parecer uma dica simples, mas é a primeira forma de saber se ele tem aditivos.
  • Selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF) – procure por esse selo que assegura a qualidade de produtos de origem animal comestíveis e não comestíveis destinados ao mercado interno e externo

Segundo a nutricionista da Vigilância Sanitária de Rio Claro, Dra Mônica Marina Bonifácio da Silva, o mel adulterado é uma mistura perigosa que pode trazer problemas à saúde.

As imitações de mel costumam conter aditivos nocivos à saúde, como anilina, iodo, água de rosas, baunilha, além de sacarose ou glicose industrial, acidulantes, essências químicas artificiais, corantes e estabilizantes.

Como escolher o mel certo para você?

Escolher o mel ideal pode definir se você está trazendo mais saúde para sua dieta ou não. Apesar de parecer uma tarefa simples, é preciso estar atento a detalhes para garantir um produto de qualidade.

1. Selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF)

Imagem do selo SIF do Ministério da Agricultura

Verifique se o mel possui o selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF) que assegura a qualidade de produtos de origem animal comestíveis e não comestíveis destinados ao mercado interno e externo

2. Dê preferência a produtores locais

Dê preferência aos pequenos produtores locais, pois assim você estará contribuindo com a economia da região e terá acesso a um produto fresco e de qualidade.

3. Áreas livres de agrotóxicos

Opte por comprar mel produzido em áreas livres de agrotóxicos e pesticidas, pois isso garante que as abelhas não foram expostas a substâncias nocivas à saúde.

4. Escolha a florada ideal

Apenas lendo as informações presentes no rótulo do produto dá para saber muito sobre a experiência que você terá com ele. Sendo assim, uma das principais informações é a indicação da florada utilizada na produção do mel, pois cada tipo de flor confere características únicas ao sabor e aroma do produto.

Veja abaixo um pouco mais sobre as floradas:

  • Mel silvestre – é um mel polifloral, ou seja, onde várias espécies contribuem com néctar. A cor varia de acordo com a quantidade de minerais presentes, podendo passar do vermelho escuro ao amarelo claro.
  • Mel de laranjeira – Esse mel é obtido a partir do nectar das flores das laranjeiras. Ele é mais perfumado que as outras opções, sua coloração é mais clara e seu sabor é mais suave.
  • Mel de eucalipto – Esse mel é obtido a partir do néctar das flores do eucalipto. Ele é mais produzido nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. Sua coloração é mais escura que as outras floradas e o sabor é mais forte e intenso.
Leia também:  Abacate: benefícios, para que serve e como consumir

Ainda na dúvida sobre como escolher o melhor mel? Então assista ao vídeo abaixo onde Gabi Paína, do canal Namu, explica o passo a passo para isso.

Como armazenar o mel para manter suas propriedades?

Agora você já sabe tudo que precisa para escolher um mel puro e de qualidade, então agora é hora de saber como conservá-lo.

O mel é naturalmente resistente a bactérias, mas pode cristalizar ou perder sua textura líquida com o tempo. Para evitar isso, é recomendado armazenar o mel em um local fresco e seco, longe da luz solar direta.

Uma boa opção é guardar o mel em potes de vidro bem fechados, que evitam a entrada de ar e umidade.

Outra dica importante é nunca colocar o mel na geladeira, pois isso pode acelerar seu processo de cristalização. Além disso, evite usar colheres úmidas ou contaminadas ao retirar o mel do pote, pois isso pode introduzir bactérias e comprometer sua qualidade. S

Seguindo essas orientações simples sobre como armazenar o mel, você poderá desfrutar do sabor e dos benefícios do mel por muito mais tempo.

Tire suas dúvidas de campo

Veja abaixo as respostas para as principais dúvidas sobre escolher, armazenar e consumir mel.

Qual é a diferença entre mel orgânico e convencional?

Veja abaixo qual é a diferença entre esses dois tipos de mel.

Mel orgânico

No mel orgânico as abelhas são criadas em colmeias que não recebem tratamentos químicos, como pesticidas e antibióticos. Esse produto é também produzido a partir de flores que não foram expostas a agrotóxicos ou outros produtos químicos.

O mel orgânico geralmente tem um sabor mais intenso e complexo, já que é produzido a partir de flores silvestres e sem interferência humana.

Também há diferenças no processo de certificação, afinal o mel orgânico deve ser certificado por uma organização independente que verifica se todas as etapas da produção estão em conformidade com os padrões estabelecidos para a agricultura orgânica.

Mel convencional

Já o mel convencional pode conter resíduos de pesticidas e outros produtos químicos utilizados na produção das plantas que serviram de alimento para as abelhas.

Ele também pode ter um sabor mais uniforme, já que é produzido a partir de plantações específicas como de laranja ou eucalipto.

O que fazer se o mel está cristalizado?

Foto e mel cristalizado
Imagem via Pinterest Iguaria.com

Se o mel já estiver cristalizado, não se preocupe: isso não significa que ele esteja estragado ou foi adulterado.

Essa cristalização é um processo natural e na verdade indica sua qualidade e pureza. Ela ocorre quando o açúcar natural presente no mel começa a se solidificar, deixando-o com uma textura granulada e difícil de espalhar.

Para reverter esse processo, basta aquecer suavemente o frasco de mel em banho-maria ou no micro-ondas por alguns segundos.

É importante lembrar que o calor excessivo pode danificar as propriedades do mel, portanto, evite aquecê-lo em altas temperaturas.

Agora uma curiosidade:

  • Muitos especialistas consideram o mel cristalizado como sendo ainda mais saudável do que o líquido, pois ele contém mais antioxidantes e enzimas benéficas para a saúde.

Como usar o mel na alimentação?

O mel é um ingrediente versátil na culinária, podendo ser utilizado em diversas receitas doces e salgadas.

Ele pode adoçar naturalmente, o mel também traz benefícios para a saúde, como propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Para utilizar o mel na culinária, é importante escolher um produto puro e de qualidade.

Uma dica para utilizar o mel em receitas doces é substituir o açúcar refinado pelo mel. Isso trará um sabor mais suave e natural à sobremesa, além de ser uma opção mais saudável.

Já em receitas salgadas, o mel pode ser utilizado como tempero ou molho para carnes, legumes e saladas.

Outra forma de utilizar o mel na culinária é na preparação de chás com ervas naturais e adição do mel para adoçar.

O importante é sempre escolher um mel puro e orgânico para garantir que os benefícios sejam mantidos. 

Quais são os benefícios do mel para a saúde?

Existem diversos benefícios do mel para a saúde e abaixo você pode ver alguns deles:

  • Mel é um adoçante natural;
  • Contém antioxidantes que ajudam a combater os radicais livres e prevenir doenças crônicas, como câncer e doenças cardíacas;
  • Possui propriedades antibacterianas e anti-inflamatórias, o que pode ajudar a aliviar sintomas de resfriados e gripes;
  • O consumo regular de mel pode melhorar a digestão e fortalecer o sistema imunológico;
  • Ele também é uma fonte de energia rápida para o corpo, sendo uma ótima opção para quem pratica atividades físicas ou precisa de um impulso energético durante o dia;
  • Estudos mostram que o mel  impacta na produção de serotonina e pode trazer benefícios no transtorno de ansiedade.

Mas nem tudo são flores, pois o mel ainda é uma fonte de açúcar e deve ser consumido com moderação.

Pessoas com diabetes devem ter cuidado redobrado ao consumir mel. Além disso, crianças menores de 1 ano não devem consumir mel devido ao risco de botulismo infantil.

Vale lembrar que você sempre deve consultar uma pessoa nutricionista antes de incluir qualquer alimento em sua dieta.

Leo Cruz

Especialista em criar aquilo que um dia você vai procurar no Google. Produzindo conteúdo com o objetivo de impulsionar esses pequenos produtores e incentivar a agricultura orgânica, agroecológica e familiar brasileira, com respeito ao meio-ambiente e aos animais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *